Falou e Disse!

22/10/2009 - 16:11 Deixe um comentário

Em preparação para uma pelada que rolará logo mais, lembrei de um texto que um amigo me enviou dias atrás referente as sacanagens que acontecem invariavelmente conosco.
Calma, comecei falando de pelada que ia rolar, sacanagem que sempre acontece e por incrível que pareça o post de hoje não é nada pornográfico não.

Utilizamos o site www.peladeiro.com.br para marcarmos nossas peladas, que é bem verdade já ocorreram com muito mais freqüência em outro momento. Acontece que o Sr. Mauricio Barros conseguiu expressar perfeitamente bem o que acontece em várias peladas por aí afora em um texto foi publicado na revista VIP.

É bem verdade que posso não concordar com exatamente tudo o que ele escreveu, mas com certeza é, dos textos que já li, o que mais se aproxima da realidade.
Portanto, chega de papo e vamos ao texto.

Você é homem ou rato?
Por: Maurício Barros

No futebol com os amigos, a gente vê quem tem caráter. O escritor Albert Camus, que era goleiro, já dizia que tudo o que aprendera sobre os homens vinha dos campos de futebol. Pura verdade. Tinha um cara na minha pelada semanal que cavava faltas. Acredita? Pode um sujeito simular falta onde o que vale é a palavra de cada um, a lei do “pediu, parou”? Justamente porque não tem juiz e o árbitro é a consciência? Pois é, o dito fazia isso. Um pária.

Se quisermos ter uma vida decente, há certas coisas que não devemos fazer no nosso sagrado jogo semanal. Dizer que vai e não aparecer, por exemplo. Só pode em caso de morte – própria ou de parente coladinho (tio já é muito longe, e sogra vai de você se vale ausência ou churrasco). Porque a diversão de todos depende da presença de cada um. Jogar com um a menos, pegar um cara emprestado da outra quadra, fazer goleiro-linha avacalham qualquer partida.

Outra coisa inadmissível em pelada é não querer revezar no gol. Tem que ir e pronto. Tem muito gaiato também que, aos primeiros chuviscos durante a tarde, se vê no direito de faltar porque “como tava chovendo pensei que não ia ter jogo”. Esse tipo deve ser defenestrado, nunca mais chamado pra nada. Intempéries não é motivo de cancelamento de jogo. Nunca.

E tem também o que se finge de morto na hora de revezar quando tem um a mais no quórum. “Quem sai agora?”, e o cara quieto, esperando alguém que já saiu se candidatar de novo. Sem falar no imbecil que fica reclamando do goleiro. Goleiro de pelada é um ser à parte. Superior. Abnegado, uma espécie de santo que topa ficar levando bolada enquanto os outros correm. Não se reclama dele nunca. Na nossa pelada, os goleiros não pagam o aluguel da quadra. É nossa forma de agradecer por eles existirem.

Verdade é que qualquer um desses deslizes de caráter é muito mais grave do que uma entrada mais dura. Um xingamento aos berros ou cara feia depois de um gol perdido – tropeços assim são esquecidos já no vestiário ou na mesa da cerveja. Aqueles outros, não. Quando o cara dá o cano sem motivo, reclama ao ir para o gol, se omite na hora de revezar. Fica botando a mão na bola, está no fundo sinalizando que não merece estar ali com a gente toda semana, compartilhando risadas, raivas, botando pra fora nossos monstros. Deve ser demitido da turma, exatamente como fizemos com o rato que cavava falta…

5 COISAS QUE APRENDI COM O FUTEBOL

  1. Respeitar os códigos de conduta. Valem mais que lei
  2. Jamais tripudiar (gritar “Chupa!”, por exemplo) do adversário após marcar um gol. Ele ganhara o direito de te partir ao meio.
  3. Todo goleiro é um santo. Reclamar com ele é pecado.
  4. A gente não vai ganhar sempre.
  5. É melhor ter dois times parelhos do que um mais forte e outro mais fraco – mesmo que você esteja no mais forte.

E… A roupa também diz muito sobre o caráter do peladeiro. Jogar de bermuda de surfista, regata e tênis iate é coisa de moleque.

Anúncios
Categorias:toma essa

Fringe

28/09/2009 - 15:57 1 comentário

Nunca vi ‘Arquivo X’, nem ‘CSI: Qualquer lugar’ ou ‘Alias’.
Arquivo X pois quando comecei a acompanhar de fatos séries já tinham várias temporadas, não sei nem se já não tinha acabado. Enfim 10 temporadas, é dose de ter animo de começar a ver.


Com CSI o problema é outro, não sei qual é o primeiro, “NY, MIAMI, LAS” (nem sei se existem esses todos ou outros). Também sei que uma pesquisa básica no google me levaria a algum blog pra download, fórum ou comunidade da série, mas que se dane, a preguiça, e falta de tempo, me impedem.

E Alias é bem por falta de interesse mesmo.


Mas porque hora bolas o título é Fringe e começo falando de outras séries, ou pior, falando que nunca as assistí. Pois bem, nunca vi mas já ouvi falar muito sobre tais séries, Alias nem tanto, e a impressão que tive ao ver Fringe é que tinha as informações técnicas de CSI com as diversas situações sinistras de Arquivo X. Adicionando a tudo isso o tom misterioso de LOST, até porque J.J. Abrams é um dos (ou ‘o’) criadores da série. Impressão essa comprovada ao ouvir alguns podcasts sobre Arquivo X aqui, ler algumas coisas sobre CSI ali,e por aí vai.


Mas porquê ver algo que poderia ser praticamente uma cópia da cópia? Comecei a ver basicamente por dois motivos. Primeiro foi por crédito de J.J. Abrams por conta de Lost, os mesmos 12 milhões gastos no episódio piloto de Lost e tudo mais. E segundo, a série estava começando, desta forma seria mais fácil acompanhar.


Diferença básica entre Fringe e Arquivo X é que Fringe é muito mais para o lado da ciência que para o lado do sinistro. Muitas vezes no início do episódio somos obrigados a pensar que a única explicação para o caso é extra terrestre, mas então nos apresentam uma explicação científica, crível ou não, que acaba deixando bastante distante de Arquivo X.


Já de CSI, Fringe difere exatamente por não se tratar apenas de cenas crimes, acidentes ou whatever. O episódio pode começar, e muitas das vezes começa, com alguma morte ou acidente sinistro, que deve, e é, analisado pelos personagens, mas segue daí por outros caminhos até o desenrolar.

Quanto a Alias, sei pouquíssima coisa sobre Alias, mas o que Fringe trás de Alias são fatores como a série ter uma protagonista principal e principalmente esta protagonista ser recrutada por uma agência secreta do governo, no caso de Fringe uma divisão do FBI, etc, etc.

Falando agora, e até que enfim, da série propriamente dita. Possui um núcleo de 3 personagens principais com papéis bem distintos e definidos e mais 4 personagens secundários mas não por isto sem importância para o desenrolar da série.

 

Ana Torv interpreta Olivia Dunham, a tal agente do FBI recrutada para a tal divisão secreta do mesmo. Peter Bishop é interpretado pelo ator Joshua Jackson que é basicamente um consultor especial de Olívia e obviamente da Frigne, até porque praticamente só ele consegue entender e controlar seu pai, o mega perturbado e carismático cientista Dr. Walter Bishop interpretado por John Noble, que ao menos pra mim que não conhecia muitos trabalhos dele, se revela na série um fantástico ator.

Olívia é a força, agilidade e Peter é a mente que desvenda charadas e pensa antes de agir, se Olívia é 95% transpiração, Peter é os 5% de inspiração. Mas e Walter? Walter é basicamente a resolução de todos os mistérios.


Durante metade da 1ª temporada praticamente todos os casos tinham a ver com suas pesquisas de tempos passados, antes de ser internado em um manicômio, quando trabalhava junto ao misterioso William Bell.


Já os personagens secundários ficam por conta de Phillip Broyles, interpretado por Lance Reddick, que é o obscuro (sem piadinhas engraçaralhas) diretor da divisão Fringe, Charlie Francis interpretado por Kirk Acevedo é o parceiro e amigo de Olívia desde tempos passados. Temos ainda Blair Brown interpretando a personagem Nina Sharp, que por vezes pinta como vilã manipuladora, e por vezes mocinha salvadora do dia. Por último e sim, menos importante temos ainda Astrid Fansworth interpretada por Jasika Nicole, que não passa de uma assistente inicialmente apenas de Olívia, e depois mais do núcleo de pesquisas do Dr. Walter. Astrid, na minha opinião é a personagem mais subestimada, tendo pouquíssima importância no desenvolvimento da série.


Gostei muito da primeira temporada principalmente até a metade, quando teve uma pausa. Ok, até então já estava virando clichê todos os mistérios fazerem parte das pesquisas antigas do Dr. Walter, mas este era um dos pontos mais interessantes até mesmo para ele explicar o porque das coisas. Até então ocorrera um bom desenvolvimento dos personagens, mistérios criados alguns revelados, outros cada vez mais obscuros e tudo o que uma série de J.J. Abrams deve ter. Na minha opinião a série teve uma caída na segunda metade da 1ª temporada, mas o final foi surpreendente e empolgador.


Empolgação que, confesso, não se manteve no 1º episódio da 2ª temporada. Longe de ser um episódio ruim, ou até mesmo mediano. Na verdade é bastante interessante, mas eu esperava mais para um primeiro episódio de temporada. Por exemplo, se não tivesse visto a 1ª temporada não sei se tal episódio teria me cativado para continuar assistindo a serie.


Ta aí a dica de uma série nova, porém promissora, ao menos na minha singela opinião.

Nunca viu mas ficou interessado? Não ficou interessado? Só falei m…?
Comenta aí e detona tua opinião.

Categorias:séries

Contadores

21/09/2009 - 14:14 Deixe um comentário

Este é um período abençoado para quem gosta e acompanha séries americanas.
Várias séries já iniciaram, ou estarão iniciando em alguns dias, novas temporadas.
É realmente complicado gerenciar todas, ou saber se o próximo episódio não foi adiado por algum motivo obscuro.

A primeira série que vi com contador, a primeira que vi não é igual a primeira que implementou, que isto fique claro, foi Fringe. Achei a idéia muito boa. Melhor ainda porque dava pra copiar e publicar em algum lugar.

Tive então a idéia de criar um post com o máximo de contadores possíveis. É bem verdade que o modo que estou começando, não é lá muito promissor.

Consegui até o momento os contadores de Fringe, Dexter e Lost. Sendo que o de Lost não é oficial.

Procurei pelos contadores de House, Heroes, Smallville e 24 Horas, mas nem todas as séries possuem contadores oficiais, ou as que possuíssem, House e 24 Horas, não estão disponíveis para serem adicionados em sites externos. Até tentei copiar e fazer algumas mudanças nos códigos porém não obtive sucesso.

Portanto assim que descobrir ou que me mandarem (duvido) novos contadores, vou adicionando neste mesmo post.

Eras isso.

Espero que seja útil.

Contadores disponíveis:
Fringe, Dexter, Lost

Fringe
Categorias:contadores, séries

A Saga

17/09/2009 - 12:00 1 comentário

Sei que tenho que mudar isto, mas o blog está sendo uma válvula de escape.

Nos últimos dias protagonizei uma saga. Em busca de redução dos custos que tenho, atribuí-me duas quests:

1 – Trocar meu plano de telefone e internet, pois meu plano tinha trocentos minutos e mais um monte de frescuras as quais eu não utilizava, buscava então um plano sem tantas frescuras, mas que mantivesse minha banda larga com a velocidade que já estava.

2 – Baixar a assinatura do provedor, ou a troca por um outro não tão caro.

Pois bem. Peguei o fone, já prevendo a demora, enquanto esperava pra falar com o atendente, depois de ouvir umas 20 opções de menus, abri o PES 2009 pra dar uma relaxada. Depois de um confronto e meio no PES finalmente alguém me atende. Confirmo uma penca de dados, só faltou a cor da cueca, explico toda a situação, 3 vezes, pois a pessoa que me atendeu não sacou que eu não queria “todos os benefícios que meu plano já tinha”, não queria até porque não utilizava praticamente nenhum. Pelas opções disponíveis (acho isso uma sacanagem, pois não posso definir o que é melhor pra mim, tenho que escolher uma dentre as opções, ou seja, o desperdício é certo, pode apenas ser minimizado) consegui baixar em quase 50% o valor pago, porém a atendente avisa: “… Sr. Mudanças de plano só podem ser efetuadas de segunda a sexta das 08:00 às 22:30…”. Ok, eram 23:00.

Mas só eram 23:00 pois além de ter de esperar quase 30 mins. Para ser atendido tive de explicar 3 vezes o que queria, ouvir todas as opções e só então escolher alguma. E o pior, tinha que ligar para outro número. Ou seja, tive que ligar no outro dia esperar mais 30 mins. Ouvir outras 20 e tantas opções, explicar tudo de novo, pra só então conseguir alterar o plano. Ponto positivo, terminei a 1ª temporada da Mater League. ;)

Vambora, quest 2. Liguei pro meu glorioso provedor de acesso. Mais 40 mins (esse se puxou, Máster League bombando, negociações e pré temporada bombando fortemente no PES), perguntei pra atendente se era possível diminuir o custo do meu plano já que não tinha nenhum benefício fenomenal, ou alguns que tinha, não utilizava (situação muito parecida com a quest 1). Mesmo assim ela quis me dizer tudo o que eu já sabia que tinha disponível, e tive que responder que ainda assim, não valia a pena pelo custo benefício. Resposta da atendente, curta e clara: “. Não é possível qualquer tipo de redução no custo de assinaturas”. Pois bem, disse então que queria cancelar a assinatura, ao que a Atendente informa. “… Para cancelamento de assinatura, deves ligar para outro numero e de segunda a sexta das 08:30 às 21:30…”, eram 22:00.

Pensei que ao menos poderia ver planos de outros provedores para já assinar outro logo após o cancelamento do o atual. Percebi então uma tremenda sacanagem. Quando tu queres assinar qualquer coisa, liga para um 0800 (grátis) e é atendido em menos de 2 minutos. Não consegui nem fazer as alterações pré-jogo no PES. Porém quando precisa de suporte, ou quer tirar alguma dúvida, cancelamento ou alterações, é um 4004 (pago) e espera mais de 30 mins pra ser atendido. Mas enfim, o problema quando tu queres apenas informações sobre outros provedores, é que logo depois do atendente falar dos “inúmeros e maravilhosos benefícios” do plano que querem te vender, e porque não de todos os outros plano, mesmo tu dizendo que quer apenas o mais básico de todos, eles já querem logo tua conta bancária e saber em nome de quem ficará a assinatura. Quase se ofendem quando tu diz que só quer informação, e dizem que tu pode já utilizar o provedor dali a alguns minutos.

Mas tudo bem, consegui me desvencilhar dos vendedores ensandecidos de 3 provedores, escolhi o melhor custo benefício, porém queria cancelar a assinatura do atual primeiramente.

No outro dia, abri o PES, como de costume, quase finalizando a pré-temporada e contratações, e aguardei os clássicos 40 mins para ser atendido, mais 30, pois me encaminharam para o setor de relacionamento, ora, porque seria logo no primeiro atendente né?! Este segundo re-confirmou todos os dados (como de costume), perguntou o porque do cancelamento, falou sobre todos os “fantásticos benefícios” que eu não uso, e só quando eu disse que não queria nada, só queria cancelar pra reduzir gastos e assinar com um provedor mais barato, ele se convenceu de que era isto mesmo que eu queria. Então ouço a seguinte frase: “… Sr. Vamos negociar…” me deu 85% de desconto nos primeiro 3 mêses, e 70% nos outros 9, fechando assim um ano inteiro pagando menos 30% do valor que estava pagando. Agora eu pergunto. Porque não consegui reduzir o valor logo na primeira vez que liguei?

Muita raiva nessa hora, porém também muita calma. A vontade era de cancelar mesmo assim e registrar diversas reclamações onde pudesse, mas com os descontos oferecidos, pagaria menos que em qualquer concorrente, tive que permanecer no provedor já que a quest foi solucionada com sucesso.

Saldo disso tudo, 1 semana só em função de tele atendimentos, quests resolvidas, quase 40% de baixa nos valores pagos, e estou a um jogo da 2ª temporada no PES.

Toma essa!!!

Categorias:saga, toma essa

Ah, porque?!

15/09/2009 - 12:47 Deixe um comentário

Caraca, ou como diria o Musum, Cacildis… vejo em um dos feeds que assino o seguinte link: ‘Versão nacional de ‘High School Musical’ divulga cartaz’. Nossa, pqp, era só o que faltava. Ou não. Mas tudo bem. Há de se concordar que o filme terá público. Se duvidar publico muito maior que filmes cult que nem notícia viram. Se viram, entram e saem tão rápido de cartaz que se a pessoa decide ir ai banheiro antes de comprar o ingresso, o filme já não está mais passando naquele cinema. Mas tudo bem, depois as pessoas se perguntam perguntam porque as coisas são como são, porque a política no Brasil é como é, porque o Sarney não larga o osso, ou porque não deixam ele largar, porque isso, porque aquilo….

Lembro que vi, li ou ouvi em algum lugar (informação precisa como esta, só aqui) uma campanha que dizia: “Você é aquilo com o que se alimenta”. Ou algo do tipo. Não lembro ao certo pois já faz muito tempo que tomei conhecimento desta frase. Mas acho que esta idéia pode se aplicar em diversos momentos e casos em nossas vidas.

Talvez se nos interessássemos mais no rumo do país, na economia não só nacional como mundial, no próximo que podemos ajudar, do que com o final da novela ou com os resultados do futebol no final de semana, tudo não poderia ser diferente?!

Categorias:toma essa

Heroes – Nova Temporada (o que esperar?)

05/08/2009 - 13:51 1 comentário

Pra quem nunca viu ou ouviu falar sobre Heroes, segue um resumão.
Heroes nasceu como uma série bem despretensiosa, mas aos poucos foi ganhando público e corpo com sua 1ª temporada, na minha opinião a melhor da série até o momento, muito boa e bastante intrigante. Praticamente sem medalhões no elenco, sendo o mesmo constituído quase que unicamente por jovens revelações ou semidesconhecidos da maior parte do publico, Heroes realmente surpreendeu em sua 1ª temporada (com exceção do último episódio, é bem verdade).


A segunda temporada de Heroes, que foi muito aguardada, foi uma estrondosa desilusão. Um fracasso quase que completo. É bem verdade que não tem como saber se tal fracasso tenha tido como razão ou agravante a greve dos roteiristas, lembra?!
Pois bem. A série que além de temporadas tem a proposta de ser dividida por “volumes”, teve apenas 1 volume na 1ª temporada e teria 2 volumes na 2ª. O caso é que foi dito que tiveram de finalizar a 2ª rapidamente com apenas um volume, por conta da greve, e que a 3ª temporada seria fantástica, admitindo-se que a 2ª havia deixado a desejar, e muito.

Com diversas mortes, revelações e reviravoltas começa a 3ª temporada, e 3º volume, que após os capítulos iniciais parece que começa a ‘degringolar’. E permanece assim até o fim do 3 volume. Pausa na série, produtores e escritores prometendo melhorar, blá, blá, blá…
Começa então o 4º volume, com cara de 4ª temporada. quase ignorando os acontecimentos do 3º volume, o 4º volume parece que vai levantar vôo em todos os episódios, mas só consegue mesmo nos últimos. Pelo menos o gancho para a 4ª temporada, teoricamente com o 5º volume e sabe-se lá mais quantos, ficou, digamos, interessante.


Pois bem, indo ao que interessa, vi um trailer da 4ª temporada de Heroes, e parece resgatar alguns elementos da 1ª. Pelo menos no início da temporada esqueceram um pouco o vilão tão utilizado nas 3 primeiras temporadas, que apesar de trazer a maior revelação da série (Gabriel Gray – Sylar) acabou deixando o personagem um tanto quanto desgastado pelo uso exarcebado, e focaram em outro vilão. Sim, muito bom ator. Sim, revelação, porém de outra série. Ele mesmo Robert Knepper (Theodore “T-Bag” Bagwell – Prison Break).


 

Ok, ok, assim como quando o Sr. Spock pega o Cap. Kirk pelo pescoço, no novo Star Treck, vi o Sylar pronto pra fazer seu gesto de costume e arrancar-lhe o ‘tampão’ da cabeça (o que não deixaria de ser no mínimo engraçado), possivelmente será inevitável assistir Heroes sem ver no personagem de ‘Robert Knepper’ o nosso bom (ou nem tão bom assim, eheheh) T-Bag. Talvez será mais estranho vê-lo sem a prótese da mão amputada (em Prison Breack – 2ª temporada), mas isso é irrelevante.

Eu, pelo menos, espero coisas boas desta nova temporada de Heroes. Espero que busquem elementos da 1ª temporada, mas que não fiquem apenas se “re-visitando” e sim adicionando novos e bons elementos.
Que Heroes consiga se re-inventar e apagar, se possível, a mancha deixada por temporadas passadas.
Confere aí o tal trailer.
Não concordou comigo?
Então comenta aí!
(Piadinha engraçaralha: Se T-Bag com apenas uma mão já era o maior vilão de Prison Break, imagina com as duas mãos e ainda poderes?!)

Categorias:séries

Toma essa!!!

23/06/2009 - 22:55 2 comentários

Sim, sou muito calmo. Calmo excessivamente na maior parte do tempo. Existem realmente poucas coisas que me tiram, de verdade do sério. Siimmm, uma delas é o trânsito.



Ahhhhhhh o trânsito. Sem sombras de dúvidas este é um caso a parte. Não preciso gastar saliva, ou dedos, como preferir, divagando sobre os espertinhos que andam pelo acostamento e depois causam o maior tumulto para entrar na fila correta. Sem falar também nos ligeirinhos que parecem até filhos do Tiradentes que saem por aí costurando. Sem falar ainda nas mulas que existem atrás do volante (aaaahh que raiva…). Não vou nem pensar em falar em quem bebe e dirige, ou bebe dirigindo ou whatever. O trânsito de uma forma geral é um saco, caótico, estúpido, mas infelizmente necessário.

Me irrita também os políticos. Não preciso falar em mensalões, roubalheiras, mordomos nos EUA a peso de dólar. Na grana que economizaríamos, ou melhor, que seria melhor aproveitada se uma boa parte deles tivesse um pingo de vergonha na cara. Não gosto de generalizar, por isto não vou fazer como o ‘senso comum’ que diz que nenhum político presta ou qualquer coisa do tipo. Mas quer saber, o que me irrita mesmo é saber que o escândalo que estoura hoje, a CPI que vai começar amanhã de nada vai adiantar. Os mesmos citados, delatados, desmascarados, whatever estarão na próxima eleição concorrendo, se elegendo e assumindo senão o mesmo, outro cargo político. Não sei o que me irrita mais. A impunibilidade, a falta de reação do povo ou ignorância/burrice do povo que repete o mesmo erro.

Porém, aaahh porém, quando fico irritado, chateado ou penso em perder a ‘fé no homem’, me
deparo com uma reportagem sobre um bombeiro que se vestiu de Homem-Aranha para salvar menino com autismo. Ok, não era no Brasil. Ok, era um bombeiro, quer ser mais nobre que este, que está disposto a arriscar a sua vida por pessoas estranhas?!

Me deparo então com outra matéria falando sobre uma mega produtora de filmes de animação relizando o desejo de uma garotinha com uma doença terminal. Ok, maaaiiis uma vez, não foi no Brasil, não teve brasileiros no meio destas histórias, mas podemos, e devemos, parar um pouco para refletir.

Se cada um procurasse fazer a sua parte, se pensássemos um pouquinho mais nos outros, no bem geral, ao invés de em nós mesmos, no nosso próprio bem, como seria?

Ainda que em pequena escala, ainda que fossemos agulhas em um palheiro gigante. Ainda que remássemos contra uma maré, ou perdidos em um mar revolto. Ainda que um filme como “A Corrente do Bem” possa parecer um tanto quando ‘piegas’, já parastes pra pensar na mensagem que ele passa, ou tenta?! Já pensou que tudo o que acontece no desenrolar do filme é realmente possível?! Já pensou que basta apenas um primeiro passo?!
E tu, já destes o teu?

 

Categorias:toma essa